(11) 4159-3762

DropShipping | O que é? Como abrir uma empresa nesse segmento e como deve ser a tributação?

DropShipping | O que é? Como abrir uma empresa nesse segmento e como deve ser a tributação?

Talvez você já tenha ouvido falar sobre o modelo de negócios dropshipping e esteja pensando em abrir uma empresa para empreender nessa nova tendência de negócio digital que vem ganhando destaque e relevância nos últimos anos.
Ou talvez você já esteja surfando essa onda e agora acredita que seja a hora de parar de atuar como pessoa física, mas ainda tem dúvidas sobre como fazer isso da maneira certa e até mesmo se é mesmo a hora de fazer essa transição.
Esteja você vivenciando uma das situações acima, ou simplesmente seja uma pessoa curiosa sobre esse assunto, continue comigo pois hoje iremos conversar a respeito de dropshipping e todas as suas peculiaridades nos âmbitos empresarial, contábil e tributário.

O que vem a ser dropshipping?

Vamos começar com a definição do que de fato é o dropshipping.
Para isso, pegaremos o modelo de negócios de um e-commerce digital normal. No e-commerce o empreendedor responsável pelo negócio compra os produtos do seu fornecedor, os estoca e depois os revende através da sua loja virtual. De maneira bem básica é assim que podemos defini-lo.
O negócio funciona em linha reta, com o fornecedor em uma ponta, o dono de e-commerce no meio dela e o cliente na outra ponta. Já o dropshipping funciona mais ou menos como um triângulo, com o dono da loja, o fornecedor e o cliente em cada uma das pontas.
O dono da loja dropshipping procura pelos produtos a um custo que lhe dê margem suficiente para repassar ao cliente final com lucro, os coloca na sua loja e quando tem um pedido ele o repassa diretamente ao cliente que efetuou aquele pedido. Ou seja, o produto sai direto do fornecedor para as mãos do cliente, o que quer dizer que ele não mantém estoques dos seus produtos como os donos de e-commerce fazem.
Esse modelo de negócios é mais versátil, além de propiciar uma melhor gestão do negócio como um todo por não ter que lidar com o estoque, além de propiciar melhores margens de lucro já que os custos fixos com local físico são dispensáveis e o negócio pode funcionar 100% online de verdade.
O dropshipping já existe há alguns anos, mas presenciou um verdadeiro boom de novos negócios assim surgindo paralelamente com a explosão de afiliados digitais e infoprodutores, sendo que muitas vezes os que atuam em uma área também atuam em outra e assim mantém dois negócios digitais.
Diferente do e-commerce, que também é um modelo de negócios relativamente novo, o dropshipping ainda não possui uma legislação própria no Brasil. Isso muitas vezes vira motivo de preocupação e até mesmo uma barreira de entrada de novos empreendedores nessa modalidade.
Mas como para tudo na vida o brasileiro dá um jeito, com isso não seria diferente e existem algumas maneiras de regularizar o seu negócio com menor risco de problemas fiscais no futuro, e veremos isso mais a frente neste artigo.
Mas antes disso, que tal aprendermos mais sobre o funcionamento do dropshipping?

Funcionamento do Dropshipping

Se você vê o dropshipping como uma possível oportunidade de negócio em que possa empreender, talvez a mini explicação que dei sobre ele lá atrás não seja suficiente. Você deve ter curiosidade sobre plataformas onde pode montar a sua loja, onde encontrar fornecedores e outras questões relacionadas ao dia a dia do negócio. Todas essas são coisas importantes a se pesquisar com máximo cuidado pois podem determinar o sucesso ou a falência do negócio.
Imagine trabalhar com uma plataforma não tão boa, ou que tenha altos custos que não justificam o que entrega em benefícios. Ou pior ainda, ter fornecedores ruins, com produtos ruins e que apresentam algum defeito com frequência. Tudo isso pode causar uma bela dor de cabeça para você e para os seus clientes que podem deixar de comprar produtos de você e partir para a concorrência, onde a loja funciona perfeitamente bem e os produtos são de altíssima qualidade.
Se problemas na parte funcional do negócio já são uma dor de cabeça, imagine se meter com o leão da receita. Essa é uma briga que ninguém gostaria de se meter, pois as chances de vencer são praticamente nulas se você tiver agido com negligência e irresponsabilidade.
Por isso trataremos de todos esses pontos logo a seguir para que ao terminar de ler este artigo você esteja mais informado sobre dropshipping tanto na parte técnica e funcional do negócio, quanto na parte contábil e fiscal.

Plataformas

Para criar uma loja virtual dropshipping o processo é basicamente o mesmo da criação de uma loja e-commerce, em que você pode contratar uma hospedagem e nela instalar softwares de e-commerce, dos quais muitos são gratuitos. Ou ainda contratar uma plataforma especializada na criação de e-commerces e se livrar da parte complicada de configurações de dns, https/ssl, etc. que irão manter o seu site funcionando.
Abaixo segue uma lista das 5 principais plataformas a que você pode recorrer:

  1. WordPress | O bom e velho WordPress faz muito mais do que criar blogs e websites. Através dele é possível instalar plugins que transformam o seu site em uma loja virtual completa. O WordPress é gratuito, e alguns plugins também, assim você só irá precisar arcar com os custos da hospedagem e do nome de domínio.
  2. WooCommerce | Bom, acabei de dizer que você pode criar a sua loja com WordPress usando plugins, então nada mais justo do que falar sobre o mais conhecido deles. O WooCommerce, como disse, é um plugin que pode ser instalado no seu site WordPress e o transformará em uma loja virtual completa. Por ser de código aberto, ele é gratuito, sendo novamente necessário arcar com os custos somente da hospedagem e nome de domínio, uma vez que com conhecimento você mesmo pode montar a loja.
  3. Loja Integrada | Agora vamos falar das plataformas que são dedicadas exclusivamente à criação de lojas virtuais. A loja integrada é uma ótima opção, pois o seu plano inicial é gratuito e permite adicionar até 50 produtos e receber 5000 visitas por mês. Além também de possuir integração para recebimento de pagamentos via Mercado Pago, ou através de Checkout Transparente ou Pix pelo Redirect. Os planos pagos possuem mais funcionalidades, mas esse inicial já é perfeito para quem vai iniciar agora.
  4. Tray | Com 15 anos de história no mercado, a Tray é uma ótima opção para quem não quer vender apenas pela loja em si. Ela oferece opções de integração com grandes marketplaces como o Mercado Livre. Sem opções gratuitas, os planos da Tray começam com ticket de R$ 49,00 mensais.
  5. Shopify | A queridinha de muitos que querem iniciar no dropshipping pelas diversas facilidades que oferece, a Shopify é uma gigante com enorme reconhecimento dentro e fora do país. Entre as suas melhores funcionalidades está o plugin oberlo que faz integração com marketplaces como Aliexpress e faz o pedido com endereço de envio do cliente sozinho. O cliente compra na loja e o pedido é processado automaticamente, sendo necessário que você apenas revise. O Shopify possui ticket inicial de 29 dólares mensais no plano mais barato. Com a cotação do dólar a 5 reais, é a opção mais salgada dessa lista, mas que justifica seu preço pela qualidade.

BÔNUS: Para quem se interessa por dropshipping, uma outra opção além de criar a sua própria loja é anunciar em marketplaces. A principal escolha dos dropshippers é o Mercado Livre que possui opções de anúncios gratuitos e outros em que você só paga depois de vender o produto, o que é uma baita vantagem pois permite setar o preço já considerando este custo.

Como encontrar fornecedores?

Ok, você sabe como montar a loja e onde vender, mas e onde você irá encontrar os produtos para fazer dropshipping?
Existem duas opções. A primeira delas é procurar pelos produtos que possuam boa aceitação e alto volume de vendas em marketplaces como o Mercado Livre e entrar em contato com o vendedor para saber se ele estaria disposto a fazer essa parceria com você. Assim, você faria as vendas e passaria para ele os endereços de entrega e pagaria pelo valor acordado entre vocês (para dropshipping alguns fornecedores fazem preços especiais) e ele faria o envio do produto. Entretanto essa maneira não é tão popular nem tão vantajosa.
A verdadeira mágica do dropshipping está em comprar os produtos do exterior através de marketplaces como o Aliexpress (uma espécie de Mercado Livre chinês), Shopee ou Wish (ambos também da china). Isso porque todas essas opções oferecem ótimos preços que permitem uma boa margem de lucro.
E se você usar a Shopify, como eu já disse antes, pode usar o oberlo para automatizar os seus pedidos e ter trabalho reduzido, resultando em uma otimização do seu tempo.

Como deve ser a regularização?

Provavelmente esse é o principal motivo de você estar aqui, portanto, vamos direto ao ponto.
Uma das principais dúvidas relacionadas a este tópico é: o dropshipping é legal no Brasil?
E a resposta para essa pergunta é sim! O dropshipping é uma atividade legal, apesar de ainda não possuir a sua própria legislação. Entretanto, ao contrário do que a maioria pensa ele não deve ser incluído como MEI (Microempreendedor Individual). Isso acontece por dois motivos: o primeiro é o limite de faturamento do MEI que não pode ultrapassar os 81 mil anuais, e o segundo é que para ser MEI você deve se encaixar em uma das profissões permitidas.
Mas apesar desse fato, ainda é mais recompensador e vantajoso regularizar a empresa do que atuar como pessoa física, já que quem atua como PF e não como PJ terá de pagar 27,5% de impostos ao ultrapassar o teto de R$4.664,68 por mês.
É recomendado que essa regularização seja feita com o apoio de um contador para que ele analise a situação do negócio naquele momento e ajude você a tomar a melhor decisão, como por exemplo, escolher a profissão que mais se aproxime da atividade do dropshipper para incluir no CNAE. O contador irá analisar a situação atual do negócio e o faturamento que ele possui para escolher o melhor regime de tributação, se será por lucro real ou presumido.
Mesmo que a alíquota a ser paga em impostos dependa do negócio, podemos estimar que ao regularizar a empresa a contribuição ficará em torno de 6 a 16,33%, mais ou menos.
Mas esse valor não é calculado sobre todo o faturamento da loja, uma vez que se entende que o dropshipper não vende os produtos, mas sim que presta serviços de intermediação entre o fornecedor e o cliente. A alíquota irá então incidir somente na comissão que é paga pelo fornecedor ao dropshipper, isso nos casos em que há um acordo ou contrato legal entre as duas partes.
Engana-se ainda quem pensa que essas são as únicas obrigações legais de quem possui uma loja virtual dropshipping, pois além da preocupação com o regime tributário e os impostos, especialmente nos casos em que possuir funcionários ainda haverão coisas como gestão da folha de pagamento, entrega de declarações com base no regime tributário escolhido e outras mais.
Já no que tange o processo de abertura de empresa para ter um número de CNPJ e assim passar mais credibilidade e profissionalismo para os clientes, recomenda-se o auxílio profissional. Várias variáveis precisam ser consideradas, como ponto físico, número de funcionários e/ou sócios, o estado ou município em que você mora, já que cada localidade pode possuir algumas regras um pouco diferentes de uma outra, etc.
Todos nós sabemos que quando se trata do nosso negócio, um sonho que alimentamos e que dedicamos a nossa vida para fazer acontecer, é necessário alguém de confiança e com qualificação para que tudo corra bem.
E é por isso que a Essencial Contábil é a melhor escolha que você pode fazer nesse momento. Se tiver alguma dúvida a respeito desse processo burocrático, trabalhoso e, convenhamos, bem chato, que é a regularização de empresas no Brasil, confie isso a quem entende do assunto e tem mais de 17 anos no mercado.

Estamos sempre à disposição para ajudar você!


Compartilhe:

FACEBOOK WHATSAPP
× Como podemos te ajudar?